Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Uma questão de estatística

Impressiona saber com a absoluta certeza de quem conhece, que uma das formas de se verificar a eficiência policial, é através da contabilização do "número de presos".

Para esta triste "Escola", se as polícias não fazem presos, é porque não trabalham.
Aparentemente, não importa se, com a deliberada escolha da não detenção de "um primário" face ao crime praticado, se "agiu bem", isto é, se se agiu dentro da legalidade; isto é, se se reuniram de forma apropriada os indícios da "verdade material" do que se terá verdadeiramente passado.

"O Direito Penal é o Direito dos factos-tipificados e não das intenções de praticar esses factos" - dizem em algumas Faculdades.

Não consigo deixar de me surprender quando a realidade é outra e se sugere que "a investigação", perante os indícios dos factos recolhidos, podia ter "escolhido outro crime" que permitisse a detenção: sempre era mais um detido.

Já imagino a parte final dos ofícios: "A Bem da Estatística"
Que se lixe se ele vai dentro, se vai ser violado, ou se vai sofrer psicologicamente, ou se vai aprender a realizar mais crimes, ou se os pais desmaiam, ou se se vai suicidar, ou ... que se lixe. Importante é deter.
Importa é demonstrar trabalho: deter.

Estranhos tempos estes, os do Estado de Direito Democrático.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.