Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

re equacionar

"pai, não te preocupes! já estamos mais velhos! já sabemos estar sozinhos!"

 

aí está; sem pronúncia, nem de sorte, nem do Norte. mas cai da mesma forma; vem direitinho ao momento desconstrutivo. encaixa. tem sentido. vem e edita nas memórias aquela sensação, já conhecida, de que se não faz falta. o cansaço chega e esmaga.

se soubessem, seria, não a última, mas a única coisa que nunca me diriam.

hoje ainda há tónus para contrariar o apelo.

pelo sim e pelo não, vou-me despedindo.

vantagem de lá

nos últimos anos, já de mão cheia, há um tendência abissal para que em datas significativas aconteçam factos que trastornam a vida.

celebra-se mais uma ausência de um entre querido desaparecido da face da terra; outros, ainda vivos, assistem e vivem a deslocalização de uma vida inteira à face de uma imposição legal; outros, esperam que a indiqueta, sob a forma de seta luminosa do destino, esteja visível à beira da estrada - para que conste e de preferência, para que não falhe.

por vezes é necessário sacudir e agitar o outro, para nos preservarmos ambos.

por vezes a melhor forma de se ajudar, é afastar-mo-nos.

mesmo assim, interrogo-me sobre os papéis que desempenhamos na vida uns dos outros.

acreditando convictamente de que há um motivo maior para darmos valias em momentos das vidas de uns com outros,

coloco-me de fora, esperando que as percepções se sedimentem, oferecendo-me e proporcionando uma oportunidade

de acção.

homem que o é, não se declara sem considerar o pacote familiar, que vem, num todo.

mulher que o seja, percebe isso e percebe que quem quer ocupar um lugar consigo (família) devia ser distinguido e valorizado.

em termos ciência económica, diria que neste mercado, não sendo único no género, não se é, de todo, um bem de substituição.

visa-se sem dúvida o estabelecimento de um monopólio relacional, a dois.

a paciência é uma externalidade do amor por outro; um custo que impende sobre o desenvolvimento de uma estratégia de lisura.

esquecer isto perante a dúvida de quem é quanto no quê num tio, é ceder a cantos de sereia, lindos discursos de mera intenção e concentração perene numa só pessoa, onde o projecto de casal nem de base restrita é; esquecendo o todo, a visão de conjunto, a dinâmica moderno-familiar, traduzida nas dificuldades de adaptação prática, cimento necessário da relação, é esquecer que o sentimento de satisfação e de felicidade andam a par.

 

 

alea jacta est.