Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

ronco pa'ti a (ou ronco para uma tia)

sem o sono dos justos, não há justiça;

há pensamentos, ideias, esprançadas cogitações, feitas de desejo e de perspectiva;

há espaços de calculismo interrompidos por comboios de imagens em desalinho;

há pena e mágoa a par de vislumbre do que era para ser e de se ser diferente;

há conformismo, pelos que desiludiram pela negativa, que desiludir pela positiva é não terem surpreendido com a desilusão;

e há, claro, escritas que, sendo normal, antecedem algum descanso sob a forma de dormir.

pode ser que seja agora;

pode ser que seja daqui a pouco que venha esse ponto de interrupção e de paz contida, por paz definitiva, só na morte e esta vai andando por aí; por aqui;

nada pior para desestabilizar que a incompreensão de como se gasta vida, gastando a dos outros com a sua;

princípio do fim, num fim visivelmente antecipado, à vista de todos, na escolha de rumo a dar à vida sem tal.

incongruências. anti-certeza.

tenho pena de quem assim se despede.

fim de ideia; não tendo chegado o sono, veio mais uma fase, frase... frimagem! frases-que-são-imagens.

há quem prefira a fotografia. eu 'acho' que se complementam;

venha o silêncio numa antecipação do sono, que o dormir acaba num ronco.