Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

desgraça da mente

desgraçadamente.

deve ser isso que se quer dizer com a desgraça que a mente por vezes trás.

ou a graça de os caminhos que cruzamos serem paralelos, à distância da vista mas sem se tocarem.

não são rosas Senhor, são carris, simetricamente emparelhados, metricamente constantes, distanciadamente longos.

os carris servem para se andar sem descarrilar. mantêm uma direcção pré-definida, sem hipótese de variação, e portanto, sem complicação.

terão, um princípio e um fim, para o seu encarrilamento.

encarrilamento, é o acto de encarrilar, de por na linha quem não estava em linha.

só cabe, em cada sentido de marcha, um ocupante deidamente encarrilado.

e nesse caso, será o ocupante, mesmo que solitário, um ocupador de dois carris.

a pluralidade num só. a duplicidade num sentido de um Ser.

também será por esse carril, que se vai numa determinada direcção, se não acertada, pelo menos, certa. vai-se.

até se chegar ao ponto, ou interrompendo essa marcha por via de um salto qualitativo e disruptor: se não é possível prosseguir no sentido pré-dterminado carrilarmente, pode-se saltar, o que não constitui um descarrilamento.

apenas o atrevimento de se findar o percurso antes de se chegar ao destino.

não se inicia a viagem sem bilhete, adquirido previamente, num ponto de venda.

o bilhete, nunca é uma fraude. a sua aquisição, também não.

a viagem, essa, pode ser isso e uma desilusão.