Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

coesão extrema

[...] no trabalho era um grupo tão unido, tão homogéneo, tão pessoalmente intricado e envolvido, que sem darem conta, aquelas oito almas se juntaram num denominador comum da vida: uns com filhos, outros sem, uns mais novos, outros menos, acordaram para a realidade de precisamente ontem, todos estarem ao mesmo nível: separados ou divorciados.

Todos eles juravam que não iriam repetir erros; todos eles faziam votos de fé em algo de melhor; todos eles, visivelmente sofriam por ter feito sofrer - um compensava com a fuga para Índia - ninguém sabe se ele volta; se quer voltar.

Até o longínquo "humilde sarraceno" elegera como modus vivendi a dedicação ao rebento, deitando para trás das costas vida em comum.

Para espanto de outros noutros andares do mesmo edifício, todos eles cantavam a plenos pulmões a música de um tal "feitiço", mesmo não se conhecendo feiticeiras. A Santa Inquisição exterminara a confiança no efémero feminino e cavara a sepultura para corpos sem sentimento patilhável. E contudo, não havia naquele canto, naquela catarse, qualquer resquício de felicidade.

Julio Machado Vaz observava numa das suas recentes exposições, que cada vez mais tinha pacientes que, à roda dos "cinquentas", lhe confessavam que tinham tido uma vida exemplar e calma, restando a dúvida de nunca terem amado.

Há algo de profundamente errado na Vida, naquela irmandade de trabalho? Porque nos deixamos atrair pelo abismo da opção dolorosa? Era necessário? Era sal da Vida?

Tempus difíceis estes.[...]

4 comentários

Comentar post