Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

o bruto

Enorme, a dar para o "mesmo muito grande"

cabelo curto, meio encaracolado,

orelhas de dumbo, nariz sobressaído,

boca larga e lábios grossos,

assim estava o gigante curvado

sobre o prato bem fornecido de carnes grelhadas.

As mãos, talochas; os dedos, ramos;

e depois, sem mais, de forma silenciosa,

como que pedindo desculpa por existir,

atravessa a sala repleta de comensais,

para se sentar e se agarrar ao teclado,

aos pedais de comando, e deixa sair do espírito

pelo som da alma, que escorre abundantemente

pela voz serena, grave, colocada, certa, viva, magnética.

Volumes de contraste, esses o do corpanzil e o da voz.

Indiferentes à qualidade, deixamos que o som característico dos talheres e dos copos

deixe de ser barulho pela queda acidental, uma, outra e outra vez, de uma bandeja que,

desajeitadamente, me escorregou dos dedos para provocar o silêncio e deixar que o bom gigante

se deixasse e fizesse ouvir.

Na sala, agora silenciosa, porque silenciada pelo espanto da sonoridade desafinada da bandeja;

sobressai em triunfo, o sorriso do gigante, da voz melodiosa, dos olhos alegres, agradecido

pelo momento em que todos acabam por ignorar a bandeja e nele concentram os olhares,

ecom eles, a atenção à emoção oferecida em tons de português numa acentuação brasileira.

Do povo que lavas no rio, à gente da minha terra, passa em desfile, por via dele,

a qualidade poética brasileira.

Despeço-me. Acenos de agradecimento.

Let right be done, dizem-me os asas.

Fez-se justiça, digo eu.

Ar land

Frios caminhos em gélidas
Estradas de campo
Que as passagens feitas estão
Lâmina feita de vento
e chão
De lama
onde a neve já pintou
Curtos reflexos de um sol.
Assim estou eu,
Aqui,
Na lama
Mais cinzento que eles,
Os novos sábios, filhos da política
Sem políticas,
Ignorantes de um admirável
Mundo
Novo
De uma deusa chamada Europa
Onde os mais velhos nada são,
Ou se São,
São-no num fardo despretensioso,
Polido,
Coerente,
De estudos na vida feitos
vividos, vistos e queridos,
Para agora as vaidade ver
Assim,
Longe de tudo, tão perto do meu actual país.

causa

"[...] carga de porrada! Trata-se de um estímulo físico acutilante de natureza ofensiva, local, dolorosa e grave para a saúde; é quase como fumar… só que de efeito mais rápido

 

in ill tempore in jocandi causa

vel hos

"os ossos doem

são a conformação imposta por ângulos

rectos

espaço curto apertado

onde imagino outros espaços

que aqui mais nehum tenho

nem cabe

e lá dou

passos

em terra que não existe

se não aqui contigo

noutro passo da memória

vista grossa

ideia fina

vantagem perdida

assim entrego

o que que de mim rico tenho

de ti pouco

ou nada

quero

basta-me que te ofereças

num pedido singelo."

cas al

"as mãos enrugadas do velhíssimo casal

contrastam

com o brilho do sol que trazem nos olhos;

esqueléticos no corpo

obesos no amor que exivem,

deixam-se isolar do resto do Mundo

num transe de entrega dedicada,

onde nem luzes, nem sons, nem moviementos,

existem,

eles só,

que a multidão circundante são pormenor da vida deles,

na partilha daquilo que têm:

um pelo outro."


in Canticus

peri ferias

"deslizo com o periférico

passeio

vejo e aprecio

o verde ondulado que corre

a partir de mim parado,

imagem queimada pelo sol

frio estancado pela alma

braseiro comum

e desejo-te aqui

vem

da-me uso nesse uso caseiro

porque visita não és

e eu

seguramente

indiferente não sou..."

 

in Várius Bárius