Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

Tempus a tempus

um espírito próprio dos que vão estando a tempus, in tempus.

ponto sem parágafo

sentimento tido
espero que o tempo passe
só um - pouco
só de um pouco mais
que em tempo me encontres
ou numa memória

mais ou menos
fixa mais ou menos
boa mais ou menos
perto que longe já eu estou

sem tino
espero que o ódio desapareça
esmoreça e passe
só um pouco
só um pouco mais
fiel amiga do tempo ido
que quem se ficou fui eu
numa memória mais ou menos
fixa num tempo mais ou menos
curto mais ou menos
bom mais ou menos
perto que ferido já eu estou

sentido

por não haver logos
vejo o fundo desse abismo
onde mergulhamos sem riso
porque enterrado fui
numa memória mais ou menos
fixa mais ou menos
boa mais ou menos
perto que morto (Amor)

já eu estou

 

 

Poemas Celtas

 

luzes

não queiras ser quem não és
vive a dignidade de saberes o que és
e descobre o viver bem
feito de contigo estares bem
 
vive
 
vive bem

não queiram ser quem não são
vivam a dignidade de saberem o que são
descubram o viver bem
feito de convosco estarem bem

vivam

vivam bem

gostei de ser uma vossa mão
nesta escrita que não quero ocasional

quinestesias

ali onde devíamos estar
estão agora outros

no sítio onde deviamos ser
são-no agora desconhecidos

memórias do que não chegou a ser
fantasmas de um logo sem manhã

nem luz de olhar num talvez onde
nem som de um arrepio interior

se sente

ficarás tu assim sem mim
vento
e eu sem te sentir

viva na minha pele


Poemas Celtas

olha lá (Luz)!

e então - pergunto-me,
se não fosse eu

ajudavas tu
falavas comigo
sorrias
cantavas baixinho

abraçavas e murmoravas

andavas tu comigo
encaixados lado a lado

empurravas e corrias
puxavas e fugias

e se não fosse eu
vinhas tu
beijavas e mordias
ou apenas dizias
uma outra vez
tenho que ir
esperam-me ali
lá donde venho
donde não podes ir

e se não fosse eu - pergunto-me
ficavas tu
assim parada

em silêncio
a respirar o sentimento
de não estarmos sós
nem sermos mesmo nós

ou apenas querias
que ficasse eu
onde não podia estar
ou nem tu aqui
podias ser
 

conseguimentos

não se consegue à toa
foi por isso duro esgotante
profícuo

este dia em que
consegui
sozinho
sem ajuda
entender
ver
perceber

com muito esforço
dedicação
avaliação
e meditação
que cheguei
ao mais puro
indesejado
desconfortável
estado de solidão!

HMM
Celtas

olhos

passo o tempo

a ver nele

o tempo que ele vale

e o tempo que não passa

a luz natural não chega

nesse duplo sentimento

olho o rio de outro ponto

de um outro modo

e sem modos revejo-te

num olhar não autorizado

fecho os olhos

ouço-te tão bem
mas nem no vento

nem na luz da lua

me encontro

vou-me assim

na noite

sem alma

que a calma já era

junto à memória

onde ainda te vou sentindo

 

Várius Bárius

whit(e)ness

o branco, tanto pode ser sinal de pureza, como de luto.
tudo depende de onde estás a ver o espírito e de como ele se vive a si próprio.
brincando, pode mesmo ele dizer-se testemunha de ti e de si mesmo.